• Print
DMRISCO

Ferramenta de mineração de dados para extração de indicadores de situações críticas em plataformas off-shore.

Com o objetivo de tratar acidentes, uma exigência hoje para permitir a operação em uma plataforma de petróleo é se registrar e descrever a ocorrência; relacionar as pessoas envolvidas; analisar as causas, as falhas e as consequências para a unidade e a tripulação; e indicar ações corretivas e preventivas ao ocorrido. A vantagem principal dos registros de tratamento de anomalias, os RTA, é sistematizar o tratamento de acidentes e possibilitar o acesso rápido a informações sobre uma determinada ocorrência, não só a descrição do que aconteceu, mas observações sobre a eficácia das medidas corretivas e preventivas tomadas. Cabe ressaltar que esses registros são escritos no momento em que a ocorrência acontece e por profissionais diretamente envolvidos.

Apesar de servir perfeitamente ao intuito de registrar e tratar uma anomalia, a informação não está estruturada no registro de tratamento de anomalia. Não há um banco de dados com atributos claros e bem definidos de onde se possa extrair com facilidade e com maior riqueza de detalhes os elementos compõem o histórico do acidente e sua análise. Como os registros não estão estruturados num banco de dados, não há um meio automático de se extrair conhecimento e informação útil para um gerente que queira fazer inferências sobre as ocorrências visando um trabalho preventivo. Ao contrário, os registros estão armazenados numa extensa base de textos, com as informações disponíveis em campos livres e pouco específicos. Para fazer análises estatísticas, procurando relações de causa e efeito dos acidentes e buscando correlações entre as ocorrências em diferentes unidades operacionais, a companhia precisa contar com especialistas que leiam cuidadosamente os registros um a um e tentem consolidar as informações existentes nas RTAs. Se o número de registros fosse pequeno, um especialista humano poderia dar conta do serviço. Entretanto, o volume de registros é grande e vem crescendo, o que sugere que uma abordagem automática é a mais aconselhável.

Nesse contexto, a mineração de dados é a abordagem mais aconselhável. O sistema DMRisco II auxilia os especialistas na interpretação, classificação e mineração de dados dos RTAs de modo a encontrar ali relações de causa-efeito para o acontecimento de determinada anomalia.

Financiamento: Parceiros: Coordenadora: Início - Término: Laboratório:
Petrobras  - Ana Cristina Bicharra Garcia  - ADDLabs